Arquivo da Categoria: Poesia

Quaresma o Dom das Cinzas – guião incompleto

Quaresma: acreditar no poder frágil. Iniciar e viver toda a quaresma com a simbologia das cinzas é uma ousadia sem comparação! Primeiro em razão de aceitarmos cumprir uma tarefa disposta em 40 dias (no concreto são 44 dias antes da Páscoa, … Continuar a ler

Publicado em por | Etiquetas , , , , , , | Publicar um comentário

Anuário em quatro faces finitas: arte de (des)programar.

Anuário em quatro faces finitas: arte de (des)programar.   “tempo para procurar / e tempo para perder, tempo para guardar / e tempo para atirar fora, tempo para rasgar / e tempo para coser, tempo para calar / e tempo … Continuar a ler

Publicado em por | Etiquetas , , , , , , , , , , | Publicar um comentário

Está Atento!

Está Atento!     Reflexões: Ano C –  I Domingo Advento: Cfr. Lc 21, e ss.     “Desde que nos deixaste o tempo nunca mais se transformou Não rodou mais para a festa não irrompeu Em labareda ou nuvem … Continuar a ler

Publicado em por | Etiquetas , , , , , , | Publicar um comentário

Virgem e Mãe Maria – Oração da Pagela na Festa de N. Srª. da Encarnação (13-09-2015)

Virgem e Mãe Maria, Vós que, movida pelo Espírito, acolhestes o Verbo da vida na profundidade da vossa fé humilde, totalmente entregue ao Eterno, ajudai-nos a dizer o nosso «sim» perante a urgência, mais imperiosa do que nunca, de fazer … Continuar a ler

Publicado em Cultura, Espiritualidade, Mensagem, Poesia, Saúde e bem-estar | Etiquetas , , , | Publicar um comentário

ALEGRIA DE SERVIR

ALEGRIA DE SERVIR (Gabriela Mistral, poetisa chilena, 1889-1957) Toda natureza é um serviço: Serve a nuvem; serve o vento; serve a chuva. Onde haja uma árvore para plantar: plante-a você. Onde haja um erro para corrigir: corrija-o você. Onde haja … Continuar a ler

Publicado em Espiritualidade, Poesia | Etiquetas , , , , | Publicar um comentário

Chama-se Jesus

Chama-se Jesus (*) Deus veio a casa, desfazendo-Se da Sua glória. Pediu autorização ao ventre de uma rapariga sacudido por um decreto de César, e fez-Se um de nós: um palestiniano como muitos na sua rua sem número, semiartesão de arranjos toscos, que vê passar os romanos e os vencedores, que morre, depois, de triste morte matada, fora da Cidade. … Continuar a ler

Publicado em Cultura, Espiritualidade, Poesia | Etiquetas | Publicar um comentário

[Poema Daniel Faria – (5)]

 [Poema Daniel Faria – (5)] Amo-te no intenso tráfego Com toda a poluição no sangue. Exponho-te a vontade O lugar que só respira na tua boca Ó verbo que amo como a pronúncia Da mãe, do amigo, do poema Em pensamento. Com todas as ideias da minha cabeça ponho-me no silêncio Dos teus lábios. Molda-me a partir do céu da … Continuar a ler

Publicado em Cultura, Poesia | Etiquetas , , | Publicar um comentário