Arquivo de etiquetas: Daniel Faria

EXPLICAÇÃO DA CURA – poema de Daniel Faria

EXPLICAÇÃO DA CURA – poema de Daniel Faria   O precipício não tem futuro ou desalento Mas um carreiro que atravessa as giestas e o trevo Um carreiro que chega ao seu destino Como a lenha podada ao fogo A … Continuar a ler

Publicado em Cultura, Espiritualidade, Livros, Poesia | Etiquetas , , , , | Publicar um comentário

Está Atento!

Está Atento!     Reflexões: Ano C –  I Domingo Advento: Cfr. Lc 21, e ss.     “Desde que nos deixaste o tempo nunca mais se transformou Não rodou mais para a festa não irrompeu Em labareda ou nuvem … Continuar a ler

Publicado em por | Etiquetas , , , , , , | Publicar um comentário

[Poema Daniel Faria – (5)]

 [Poema Daniel Faria – (5)] Amo-te no intenso tráfego Com toda a poluição no sangue. Exponho-te a vontade O lugar que só respira na tua boca Ó verbo que amo como a pronúncia Da mãe, do amigo, do poema Em pensamento. Com todas as ideias da minha cabeça ponho-me no silêncio Dos teus lábios. Molda-me a partir do céu da … Continuar a ler

Publicado em Cultura, Poesia | Etiquetas , , | Publicar um comentário

Escrevo do lado mais invisível das imagens – Poema Daniel Faria

 [Poema Daniel Faria – (4)] Escrevo do lado mais invisível das imagens Na parede de dentro da escrita e penso Erguer à altura da visão o candeeiro Branco da palavra com as mãos Como a paveia atrás do segador Vejo … Continuar a ler

Publicado em Poesia | Etiquetas | Publicar um comentário

BIOGRAFIA

BIOGRAFIA   Nasceu No adro (do medo) Viveu Na praça (da vida) Morreu No rio (da sorte)     Autor: Daniel Faria, Poesia, Assírio & Alvim, Porto, 2012, p.388.   PS. Depois de sacramentar (confissão, santa unção e comunhão) duas senhoras de idade avançada. As … Continuar a ler

Publicado em Poesia | Etiquetas | Publicar um comentário

Construo o meu casulo até as cisternas transbordarem – Poema Daniel Faria (2)

[Poema Daniel Faria – (2)] Construo o meu casulo até as cisternas transbordarem (Nem sempre o coração é um caudal Oculto). Construo, nem sempre construo (Nem sempre o coração irriga a morte) Desenhando no chão a altura das casas   … Continuar a ler

Publicado em Poesia | Etiquetas , | Publicar um comentário