Ver-se nos filmes, repensar, isto é, reagir e convergir: O Jovem Messias [The Young Messiah] e Ressurreição [Risen].

Ver-se nos filmes, repensar, isto é, reagir e convergir.

 

 

Apontamentos de não-especialista, sobre os filmes (não suficientemente polémicos) que não podem ser ignorados mas que devem ser trabalhados “catequeticamente”: O Jovem Messias [The Young Messiah] e Ressurreição [Risen].

Vi dois filmes recentes de temática religiosa e cristã/católica (e também antropológica). Não serão “obras-primas”, apesar dessa “classificação”, são de primeira ordem/possibilidade no refazer das convicções da Vida Espiritual e da Imaginação (des)Crente. Não se trata de imaginar apenas uma experiência, mas de experimentar uma imaginação nova. Um Sentido novo e pleno. Na linguagem dos filmes: um perigo no problematizar e uma ferramenta a saber utilizar.

O Primeiro filme, “O Jovem Messias” [“The Young Messiah”[1]], segundo apresentação pública é baseado no livro de Anne Rice. Não conheço a autora e não li o livro. Li, e não apurei devidamente, que a autora, se diz cristã, mas não frequenta nenhuma igreja “apresenta uma história de ficção realista”. A própria diz que o seu romance “afirma e aceita o magnífico mistério da Encarnação”. As suas fontes são a “História e os Evangelhos”, na tentativa de mostrar como Jesus viveu a sua infância. Entre as “polémicas” está o facto de apresentar o menino Jesus a fazer milagres antes do seu baptismo. Fiquei com impressão geral que transparece Fé e abunda uma Crença generalizante ao sabor moderno.

A história resumida: Aos sete anos, ele está com a sua família em Alexandria, no Egipto. Os seus pais, José e Maria, mantêm segredos sobre o seu nascimento e tentam explicar por que ele é diferente de outros garotos. Com a morte do Rei Herodes, resolvem regressar a Nazaré, sem saber que o herdeiro do trono, também está determinado a matar Jesus.

O filme do diretor Cyrus Nowrasteh tem o estreante Adam Greaves-Neal no papel de Jesus Cristo e Sean Bean, de Guerra dos Tronos, como Severus, um general romano decidido a encontrar o jovem messias prometido. «Delicioso» o pormenor do «camelo» brinquedo preso na parte final ao “cinto” do general romano… Há figuras menores sem grande espessura. Gostei do menino Jesus adolescente, seu Pai e sua Mãe. Têm textura empática. O general perseguidor é “profissional” q.b.

O segundo filme, “Ressurreição” [“Risen”[2]], do diretor Kevin Reynolds, apresenta um oficial romano que assegura a execução rigorosa da sentença de crucificação e, posteriormente, investiga o desaparecimento do corpo do “proclamado Messias” – após ter presenciado e “ajudado” na crucificação; assiste, também, ao sepultamento em túmulo devidamente selado. Encarregado e enviado por Pôncio Pilatos (Peter Firth), o oficial, Tribuno Romano, Clavius (Joseph Fiennes), é em parte um céptico romano que inicia uma série de interrogatórios aos discípulos de Jesus de Nazaré (Cliff Curtis), para tentar descobrir se eles roubaram ou não o cadáver. Com a ajuda dum imediato legionário, Lucius (Tom Felton), ambos, iniciam “o processo de investigação”.

Na investigação de Clavius, em clima policial, o que no fundo está em causa é o acreditar ou não na ressurreição. Está subjacente uma reflexão a cerca da natureza da própria Fé. O que é que se acredita, no ato de acreditar. Num segundo momento, do filme reformulado por: “em quem se acredita, no ato de acreditar”. Clavius, que não é totalmente descrente, passa a acompanhar os discípulos de Jesus para ter então a certeza da Morte do «Nazareno», de que ele participou, será ou não real…, como contactar com o “vivente”…, o Messias, enviado por Deus. A decisão de «acreditar» fica suspensa até ao fim do filme e para além dele.

Neste segundo filme, que partiu também para mim, do primeiro filme: revejo figurações doutrinais sem querer encontrar erros teológicos. Onde estão as dúvidas existenciais intemporais? As perguntas que não sabemos ou não queremos fazer? Em múltiplos casos permaneço absorvido, mais profundamente, no segundo filme. Partilhei em encontros formativos e até (ousadia em alusões abertas… assim o espero) em homilias. Fico, «agora», a rebobinar uma afirmação que leio para mim em voz alta (não) crente, coerentemente e honestamente, com a lucidez da inteligência, usada como dom a partilhar: “Quem sabe se mesmo um não-crente não pode aceitar a ideia de que constitui ressurreição suficiente o facto de, neste mundo onde Jesus morreu, se poder afirmar em grande medida que, bem vistas as coisas, Jesus afinal não morreu. Se ele ressuscitou (ou não) não sei; mas que aqui, no mundo em que morreu, ele venceu a morte, disso tenho a certeza: porque tanto crentes como não-crentes andaremos às voltas com Jesus nas nossas cabeças enquanto houver seres humanos na Terra” (LOURENÇO, Frederico, O Livro Aberto: Leituras da Bíblia, Edições Cotovia, Lisboa, 22015, p.126).

Por: Pedro José, Gafanha da Nazaré/Encarnação/Carmo, 04-03-2016. Caracteres (incl. espaços): 7557.

Consulta: 1. https://cinema.gospelprime.com.br/filme-o-jovem-messias-infancia-jesus/, acesso, 03-03-2016; 2. http://observatoriodocinema.com.br/criticas/2016/03/critica-ressurreicao, acesso, 03-03-2016; 3. http://cinecartaz.publico.pt/Filme/357479_o-jovem-messias + http://cinecartaz.publico.pt/Filme/358107_ressurreicao , acesso, 03-03-2016.

 

[1] O Jovem Messias Título original: The Young Messiah, De: Cyrus Nowrasteh, Com: Sean Bean, David Bradley, Jonathan Bailey Classificação: M/12 Outros dados: EUA, 2016, Cores, 111 min. Depois de serem obrigados a fugir de Israel devido ao ódio do rei Herodes que mandou matar todos os recém-nascidos do sexo masculino, Jesus, Maria e José vivem em Alexandria, Egipto. Jesus, agora com 7 anos, percebe que existem segredos relacionados com o seu nascimento mas desconhece as razões pelas quais é tratado de forma diferente de todas as outras crianças da sua idade. Os seus pais, por seu lado, consideram ser demasiado cedo para lhe revelarem o milagre do seu nascimento e tudo o que isso significa. Com a morte de Herodes, porém, a família resolve regressar a Nazaré e Jesus descobre por si mesmo o propósito da sua jovem existência… Um filme biográfico realizado por Cyrus Nowrasteh sobre Jesus Cristo, uma das mais importantes personagens religiosas da História. Sean Bean, David Bradley e Jonathan Bailey dão vida às personagens (in Jornal Público).
[2] Ressurreição Título original: Risen, De: Kevin Reynolds Com: Joseph Fiennes, Tom Felton, Peter Firth Género: Acção, Aventura Classificação: M/12 Outros dados: EUA, 2016, Cores, 107 min. Depois de controlar uma revolta de zelotas liderada por Barrabás, que lutava contra a dominação romana, o tribuno romano Clavius é encarregado por Pôncio Pilatos de investigar os rumores de um suposto Messias ressuscitado. A sua missão é localizar o corpo desaparecido de Yeshua após a crucificação, de modo a acabar com uma provável revolução popular em Jerusalém. Depois de buscas intensivas em todos os lugares e sepulturas – e não conseguindo encontrar o corpo em lugar algum –, Clavius procura os seguidores de Yeshua, que lhe mostram as razões das suas crenças. Pilatos descobre a traição de Clavius e envia um contingente de tropas romanas para o capturar e matar todos os discípulos de Cristo. Clavius, de natureza céptica, depois de ver com os seus próprios olhos Yeshua ressuscitado, vê-se numa luta interior ao tentar conciliar o que lhe dizem os sentidos com o que sempre acreditou ser possível… Com realização de Kevin Reynolds (“Robin Hood: Príncipe dos Ladrões”, “Waterworld”, “O Conde de Monte Cristo”) segundo um argumento seu e de Paul Aiello, um filme dramático que relata um dos momentos bíblicos mais importantes: a morte e ressurreição de Cristo. O elenco conta com Joseph Fiennes, Tom Felton, Peter Firth e Cliff Curtis, entre outros (in Jornal Público).
Advertisements
Esta entrada foi publicada em Apontamentos, Cultura, ENSAIOS, Entretenimento, Espiritualidade, Filmes com as etiquetas , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s