os domingos são todos diferentes

os domingos são todos diferentes

 

Quando a Solidão surge não como uma ameaça mas como  Agenda em Branco ficamos presos ao “fazer de conta”. Imaginamos e colocamos o telemóvel a exercer a sua omnipresença. Logo que falha o plano B: a solução já está encontrada!? Não é possível fazer de conta diante de Si Mesmo. A Consciência não mente. Envelhecemos apenas com o Serviço abnegado e gratuito. Dias que não são esquecidos. Dias por cumprir. Somos porta escutas. Radares sem multa. Sem protagonismo. Sem reclamar. Apenas Redenção Secular.

Um frio afectivo corre dentro de nós. Esse frio não tem causa visível apenas se trata do passatempo da Melancolia. Habitamos o fraco consolo. A fraca liturgia. O fraco impacto. A fraca retórica. O fraco compromisso. A fraca entrega. O fraco corpo. A fortaleza da Caridade soalheira. Não precisamos de muito mais para termos um Cisma domingueiro. Nada nos faz sair do Nada Místico. Nada de poesia consumista. Ter tempo para consumir é o derradeiro fraco engano. A libertação é acessível a quem grita uma exigência renovada. Fazemos por erguer o Olhar Crente.

Tudo começa por ser Possível. Depois Necessário. Finalmente, torna-se Impossível. A Graça deveria não ter Dever de. Aliás apenas é inspiração duma Apresentação fora do Templo. Tudo para todos. A força de assumir o Não. Não querer soluções falsas mas passo a passo, assumir que outros sabem o Caminho. É Belo mas é pouco. O pouco sabe bem e ajuda a repousar. Sem Angústia apenas lentidão. Lentidão para ser e Paciência infinita para aceitar. O Tempo transforma tudo. Precisamos rezar juntos.

Não há apreensão. Há tranquilidade. O Domingo apresenta-se contemplativo. Não deixemos de entrar na Igreja-sem-Corpo. Quem é esse Rei da Glória!? As imperfeições são todas iguais. As famílias felizes e contentes são todas iguais. Chegadas e encontros: memórias que não se apagam mais. Grão de mostarda que cresce no Reino da Terra! Deus é a Vida do Homem. A Glória de Deus é o Homem Vivo. Serás a Glória de Deus. Sem Luz avançamos dispostos a fazer do Êxodo a virtude incompleta. Os domingos são todos diferentes.

 

 

Pedro José, Gafanhas: Nazaré/Encarnação/Carmo, 03-02-14,

caracteres (incl. esp) 2060.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Apontamentos, Incontinências com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s