“Querido João” (carta aberta) (in Expresso 01/06/2013, p.32)

 

Querido João

(carta aberta)

in Expresso, 2013-06-01, p.32.

Transcrito: http://o-povo.blogspot.pt/2013/06/querido-joao.html, acesso: 08/06/2013.

Cada uma das nossas famílias adoptou crianças como tu, a quem tentamos dar o melhor para que cresçam felizes. Estamos preocupados: é que há muitos casais que querem ser o pai e a mãe que tu não tens e precisas, mas agora parece que, mais que acelerar as adopções, importa poderes vir a ter dois pais ou duas mães. Dizes que não faz sentido? Pois não, mas há adultos que dizem que é um direito dos pares homossexuais. E tu perguntas onde é que está o teu superior interesse, e perguntas bem.

De facto, o legislador, que é quem decide estas coisas, deve olhar primeiro para o teu interesse e é por isso que existe a adopção: para servir crianças como tu, oferecendo um vinculo e um ambiente semelhante ao da filiação natural. Isto chama-se família, com um pai e uma mãe que se complementam. Se possível, com irmãos. Os poucos estudos que dizem o contrário são duvidosos, apesar de darem muito jeito a alguns.

Se fores adoptado por dois pais ou duas mães, iria faltar-te um dos modelos (masculino ou feminino) que tanto enriquece em tons e contrastes o teu caminho. Seria, no mínimo, uma experiência arriscada feita num laboratório social, só que desta vez o ratinho és tu. Ora, se todos podemos impedir isso e escolher o melhor para ti: porque hesitamos?

Certamente ouviste-os dizer que a tal co-adopção não tem nada a ver contigo e é “só” para regularizar alguns casos reais (por sinal, facilmente regularizáveis retocando um artigo do Código Civil), mas esse “só” já escancara as portas à adopção por pares homossexuais de crianças como tu, objectivo – frouxamente desmentido – de quem fez esta lei.

Alguns alegam que esta proposta de lei combate uma discriminação, mas na adopção já se excluem (será que temos de dizer “discriminam”?), e bem, os casais muito velhos e muito novos e outros que, por uma razão ou outra, são declarados como não tendo capacidade para adoptar. Discriminação “à séria” é a sofrida por casais nossos conhecidos a quem impediram de adoptar só porque um deles ficou desempregado durante o processo ou porque os técnicos acharam o quarto para a criança demasiado pequeno… E esta?

Mas a maior discriminação é a que alguns pretendem com isto, mesmo que o não digam tão cruamente: que não voltes a ter pai e mãe, ao contrário das outras crianças. Mesmo a adopção “mono-parental” ou singular, sendo imperfeita, não se lhe compara, porque, o pai ou a mãe ainda podem vir a casar e, mesmo que o não façam, não confundirão a representação que tens do pai ou da mãe em falta. Por falar em discriminação, será que um dia não vão deixar-nos ter filhos biológicos porque os pares homossexuais também não os podem ter entre eles sem recorrer a terceiros?

Esperamos que esta carta ajude a garantir que tenhas lugar numa família como as nossas, feita também de insuficiências, mas que é o espaço que te dá a melhor oportunidade para preencher o teu coração carregado de promessas.

Um beijinho grande

Adelaide e Manuel L Monteiro; Carmo e Rui Diniz; Margarida e Miguel M Guimarães; Maria e Filipe Núncio; Patrícia e Pedro M Rodrigues; Rita e Henrique Garcia; Sofia e Pedro Fragoso.

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Cultura, Incontinências, Organizações com as etiquetas , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s