[Poema Daniel Faria – (5)]

 [Poema Daniel Faria – (5)]

Amo-te no intenso tráfego

Com toda a poluição no sangue.

Exponho-te a vontade

O lugar que só respira na tua boca

Ó verbo que amo como a pronúncia

Da mãe, do amigo, do poema

Em pensamento.

Com todas as ideias da minha cabeça ponho-me no silêncio

Dos teus lábios.

Molda-me a partir do céu da tua boca

Porque pressinto que posso ouvir-te

No firmamento.

 

 

 

Autor: Daniel Faria, Poesia, Assírio & Alvim, Porto, 2012, p.242 [Obs. Do inesgotável – 1].

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Cultura, Poesia com as etiquetas , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s