Sobre o «núcleo duro» da identidade portuguesa – por João Duque

[5.]

“(…) Assim sendo, o «núcleo duro» da identidade portuguesa é, precisamente, a construção dessa identidade como acolhimento do outro – e não propriamente como confronto bélico ou cultural com o outro (o que, aliás, levaria à construção de uma identidade fechada, sem futuro). Ora, a afirmação da identidade como acolhimento do outro implica uma básica orientação universal dessa identidade. Não que a nossa identidade seja global ou total – o que seria contraditório em si – mas o elemento essencial da nossa identidade reside na orientação universal que nos habita. Orientação universal essa que é vivida na particularidade daquilo que somos mas que ganha consciência dessa particularidade, não se pretendendo por isso absoluta. Por isso mesmo é que o nosso horizonte é a história do mundo, mais do que a da Europa ou até a nossa própria, tida apenas como história continental”.

 

FONTE: DUQUE, João, Cultura contemporânea e cristianismo,

Universidade Católica Editora, Lisboa, 2004, pp.104-105.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Apontamentos, Cultura com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s