A busca de sentido: disposições breves para «pentecostes».

 

A busca de sentido: disposições breves para «pentecostes».

 

[2.]

A ROSA

A rosa não tem porquê

Floresce porque floresce.

Não cuida de si mesma

Nem pergunta se alguém a vê.

Agelus Silesius – polaco (1624-1667)

 

 

[3.]

 

 

“O sentido é como a fome, que é percebida, não quando estamos saciados, mas quando falta o alimento. É a experiência do negativo que promove a busca, é a doença, a dor, não a felicidade – cujo sentido ninguém questiona.

Lamentar a falta de sentido significa, então, lamentar a dor, a doença, a morte, e por isso, “sentido” é uma palavra nobre que esconde só a recusa, da parte do homem, da experiência do negativo, a não-aceitação da própria finitude, do próprio limite, a que a teologia responde remetendo à experiência “criatural” e, por isso, “finita” do homem, enquanto ateísmo responde em termos de ciência e de técnica, pensadas como “remédio” ao negativo. Em ambos os casos, é a experiência do negativo que promove a exigência de sentido, o que quer dizer que tem uma matriz totalmente antropológica, embora a exigência de sentido seja dilatada até os confins do ser”.

 

FONTE: GALIMBERTI, Umberto, Psiche e techne: O homem na idade da técnica, Paulus, São Paulo, 2006, pp.811-812.

 

[4.]

AS DUAS PORTAS

 

Segundo uma antiga narrativa japonesa, um Samurai recorreu ao Mestre Hakuin para que lhe explicasse o conceito de Céu e de Inferno.

Ao ouvir a pergunta do Samurai, o Mestre riu-se e respondeu com desdém:

– Não posso perder tempo com indivíduos como tu!

Ferido no mais profundo de si mesmo, o Samurai desembainhou a espada e gritou:

– Pela tua impertinência eu poderia matar-te agora mesmo!

– Isso – respondeu o Mestre com toda a calma – isso é o Inferno.

Desconcertado, ao atingir a evidência da verdade, o Samurai acalmou-se, recolheu a espada e inclinou-se, agradecendo a lição. [Tinha vislumbrado o pórtico do Céu].

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Cultura, Espiritualidade, Libertar a Teologia, Mensagem, Poesia com as etiquetas , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s