«Anunciar o que se (quer) vive(r)» – Dia do Anúncio (Missão Jubilar)

Anunciar o que se (quer) vive(r)

 

“Vamos escutar (…) aprendendo novas linguagens para falar de Deus

e acolher os anseios do coração humano”. – D. António Francisco.

 

         A comunicação mútua realiza a expressão consentida do que nos vai fazendo viver. Através do estandarte diocesano da Missão Jubilar, colocado nas nossas casas, queremos expressar um Anúncio feito de Vida e História a compartilhar. E continuar a inscrever dentro desse Anúncio, na linha maior do Tempo, os nossos gestos feitos Hoje.

          É o Anúncio que confirma e dá alento ao nosso coração e guia os nossos passos, ainda que incertos, revestidos de firmeza, por vezes esgotados mas nunca perdidos. Precisamos, uma vez mais e de cada vez menos, escolher entre o caminho da pura acomodação e da resignação, ou até mesmo da amargura, e o da Liberdade primeira a que o Anúncio nos convida.

          Anunciar em palavras e gestos, perguntas e conversas, olhares e afetos, divisões e partilhas – pela disponibilidade singular em colocar um «estandarte» – em tudo respeitamos o universo das decisões livres para acolher que o anúncio também pode ser desfeito ou suspenso. Ao mesmo tempo, e com diferente intensidade, anunciamos e podemos ser denunciados, questionamos e somos questionados, consolamos e somos desinstalados, queremos em tudo, com simplicidade, suscitar um rosto de Esperança.

        Querer estar de boa-fé, pela conversão ao Evangelho, na pessoa e na história de Jesus:Aquele que ao ser anunciado nos muda o horizonte da Felicidade. É quando anunciamos “isto”juntos que melhor experimentamos e partilhamos a presença do Ressuscitado no meio de nós. Ao sermos uma «comunidade/igreja anunciadora», isto é, disposta à boa-fé, no duplo sentido da palavra, mostramos um acreditar verdadeiro, que vai mudando o nosso viver na prática, e ao mesmo tempo, partilharmos um tempo de fidelidade em comum.

          Nessa continuidade de todos dias no trabalho, no convívio, e na insistência, ilumina-se a decisão alegre de crescer no silêncio da proximidade, entre vizinhos e conhecidos, com o próprio mistério de Deus, como alicerce. Ele já se anuncia no Desejo de diminuir o mundo do ruído que nos habita constantemente, para irmos gozando das nossas presenças sem obrigações impostas.

            Somos como um grão de mostarda, que, ao ser semeado na terra, é a menor de todas as sementes que há sobre a terra, mas depois de semeado, começa a crescer, e torna-se uma oportunidade única para construímos uma história diferente. Só pode crescer mais – ou é mais fácil fazê-lo – quem se considera e sabe «pequeno». O Anúncio não é tudo. O Anúncio é o princípio para tudo. Anunciar significa abrir um espaço maior para o Diálogo e a Gratuidade.

    P.S.  Em sintonia, com todas as pessoas que decidiram, nas Gafanhas da Nazaré e da Encarnação, colocar o seu estandarte de forma visível nos seus lares, locais de trabalho, etc. Pedro José, 12-11-2012, caracteres (incl. esp), 2495

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Ensaio Biográfico, Missão Jubilar, Organizações com as etiquetas , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s