Sobre o rezar

 

Sobre o rezar

Somos um poema feito de quotidiano. Poeira no caminho a percorrer. Acontece-nos o Natal de modo impossível. Dizem da nossa improvável Liberdade. Extrema liberalidade incompreendida, até ao limite do Dom Absoluto. Não é quando queremos; é quando a abertura se faz «pequenez». A Lei do «Pequeno» não preside mais à quadra das orações ocas, sem fecundidade.

O que Deus vai manifestar – esplendor do caos -, uma vez mais, na História: poderá ser assumido na Verdade do Ser? “O dia todo me repetem: Onde está o teu Deus?” (Sl 42). O Natal pleno de Proximidade divina: Deus feito carne (fragilidade) e pessoa (comunicação), poderá passar despercebido, no meio dos nossos embrulhos. Rezo, sobretudo, aqueles «nós» relacionais que nos complicam. E complicam demasiado.

Quando pedem a minha oração de intercessão ou outra… resisto. É então que sei da minha extrema pobreza. Não sou o princípio daquilo que sou e daquilo que faço. Peço o olhar de Deus sobre mim. Confesso, humildemente, a minha carne e a minha história insignificante. «Só o que for assumido poderá ser salvo».

Feito pelo incumprimento das muitas orações esquecidas. Orações que negam a visibilidade dos pobres; o cheiro permanente a falta de higiene (cultura cruel da limpeza sem ética…); a ceia mais partida do que repartida; a surdez diante do clamor injusto, que nos torna malcriados. Proscritos sem educação. Néscios de curso superior. Ignorantes da sapiência prática.

– Ai da minha hipocrisia mal disfarçada! A «pequena» Continência, no excesso do luxo. A «pequena» Obediência, pelas feridas incuráveis. A «pequena» Poupança, no que nos faz imensa falta mesmo. A «pequena» Verdade, no Desejo reprimido. A «pequena» Liberdade, do olhar frontal. Quero rezar apenas o Tempo que me corre por dentro. Com Fé para além do ser inumano. A imensa Noite Escura sem luar.

O Tempo da nossa (des)graça. Entranhas de salvação. Nascer de Novo, por Ti.

 

 Por: Pedro José, Gafanha da Nazaré, 20-12-11, caracteres (incl. esp) 1894.

 

 

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Não categorizado. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s