A Igreja é para todos, mas não para tudo.

 
 

A IGREJA É PARA TODOS,

MAS NÃO PARA TUDO. (*)

 

 

“Os padres não se devem meter em política”. “Ou são padres ou políticos!”.

Certo ou errado? – Isto é como perguntar: os diabéticos podem comer ou não?- Claro que primeiro é preciso distinguir os alimentos. Há alimentos, com muito açúcar ou amido, que não podem comer. Mas, se não comerem nada, morrem.

 

 

Também para responder à pergunta dos padres e da política é preciso distinguir: na política partidária, eles não devem entrar. Mas se eles não se interessarem pela política social é sinal que não são pessoas humanas. E os padres são gente, são pessoas, são cidadãos. Se não participarem na vida social e política do povo onde estão integrados é porque são imbecis. E imbecil não pode ter a função de pastor.

 

 

Claro que eu não escrevo para analfabetos políticos ou cegos apaixonados. Escrevo para gente que quer ser consciente e instruída. Quem se satisfaz em ser democrata só com um dedo (aquele que carrega na tecla da urna eleitoral) e só de quatro em quatro anos, essa pessoa não compreenderá o que explico. Continuará a desejar ser apenas usuário de um processo iníquo que alguns espertos montaram para explorar seu voto. Por isso, antes de mais nada, é preciso exorcizar o sentido de política que muita gente tem: luta eleitoral- partidária, busca exasperada de interesses, briga entre candidatos, confrontos de grupos, combate entre fãs de candidatos, vingança acirrada contra adversários, prioridade absoluta da politicagem sobre todos os direitos, corrupção para atingir intentos… Não vou falar destas demonstrações exageradas da política partidária. Nem que fosse política partidária honesta, ela não esgota toda a política. Mas quando ela é a degradação moral do verdadeiro sentido da política, nem devia existir. Perceba bem, amigo leitor, política é coisa séria: é virtude, ciência, arte pela qual se procura o bem comum das pessoas e o desenvolvimento da sociedade.

 

 

Pois os padres são pessoas no pleno uso de seus direitos sociais. Optam por um partido e votam. Não são neutros nem indiferentes. A capacidade de diálogo e a coragem de denunciar as injustiças devem estar presentes na sua ação ministerial. O caminho da evangelização passa pela vida privada das pessoas, pela influência cultural que as envolve e também pela sua situação política que as condiciona. Jesus curou os enfermos, expulsou demônios, comprometeu os discípulos na promoção de relacionamentos fundados na justiça. Hoje há outros diabos, outras doenças sociais e outros maus relacionamentos que escravizam a vida das pessoas. Quem conhece, ama e segue Jesus não pode deixar de ir ao mundo anunciar Jesus, tornar realidade o amor e o serviço, sobretudo, na pessoa dos mais necessitados. Ser padre é desejar construir o Reino de Deus no meio dos homens. Sabendo que a política é a alfaia própria para trazer justiça e dignidade aos cidadãos, o padre não a pode desprezar. Não pode passar de lado. Tem que a evangelizar, preocupando-se pelo bem comum, pela defesa dos princípios éticos não negociáveis e arraigados na natureza humana. Compete à Igreja formar as consciências, ser advogada da justiça e da verdade e educar nas virtudes individuais, políticas e sociais. Isto é da missão do padre. Compete-lhe também chamar a atenção dos leigos para estarem presentes na vida pública e, concretamente, na formação dos consensos necessários e na oposição contra a injustiça. Isto é política social de que o padre não se pode afastar. Ele não pode ficar amarrado na insensibilidade aos problemas. Se fizesse isso nem padre seria, nem pessoa comprometida.

 

 

O padre, como pastor, não deve é militar na vida política partidária, no partidarismo. Não deve tomar o partido de uma facção política. Só em casos extremos e depois de tomar conselho com seu bispo. E porquê? – Porque a Igreja acha que os pastores devem defender os valores democráticos sem se deixar afogar nos interesses partidários. Isso prejudicaria sua ação pastoral, impossibilitando a comunhão com seu rebanho. Devem os pastores ser uma reserva moral, um esforço concreto e visível à unidade, à verdade e à busca do bem comum. Militando na vida partidária correriam o risco de ajudar a absolutizar confrontos. Nenhum partido pode arrogar para si à representação de todos os fiéis, nem ter valor absoluto para todos. Defender os valores democráticos, iluminar com a força do Evangelho todos os setores da vida política, criar consciência política nos fiéis, preferir os mais necessitados e tentar levantar as vítimas do egoísmo humano: eis uma tarefa no imenso campo do trabalho do padre. Deve preocupar-se com o bem comum, sem se fechar em nenhuma maneira de o procurar, sem qualquer radicalismo exclusivista. E todos devem lembrar-se que padre defende valores, não absolve vícios. Anuncia o projeto de Deus e denuncia o pecado humano. Aponta caminhos, não aceita assaltos. Realiza o Reino de Deus, diz não à satisfação do egoísmo humano. Ilumina com o Evangelho a vida política. Não é sua missão cegar olhos para não verem a maldade de alguns. Quem anda na contramão dos valores democráticos e evangélicos não gostará de seu ministério. Coisa normal! Só seria anormal o padre andar de braço dado com a safadeza dos maus políticos. O pastor deve ser o guia de todos. Mas não pode pactuar com os erros de ninguém. A Igreja é para todos. Não para satisfazer os caprichos de cada um. É para todos, não para tudo. E termino com uma pergunta: em Chapadinha, não gostam que os padres falem de política por falarem mentiras, não saberem o que dizem ou porque dizem a verdade e, quando se toca na ferida, ela dói?”.

 

 

(*) FONTE: in Vida Nova – Boletim Formativo e Informativo das Paróquias de Chapadinha e Mata Roma // DIRETOR – Manuel Neves // DIRETOR-Adjunto – Pedro José; N°34 – 23/11/2008, pp. 2-3.

 

 

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Libertar a Teologia. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s