Elementos

 

 

Elementos

 

 

Passo a divulgar um texto-encomenda, minha primeira experiência-desse-tipo, que integrou um Projecto, vamos chamar-lhe – temos sempre necessidade de um nome-classificação – «Audio-Visual-Invulgar», em formato Filme – DVD. «Quatro elementos: água, terra, ar, fogo». Só hoje, na companhia do meu amigo Quim, no seu apartamento, numa tarde sem tempo, ouvi e vi, a Música (gostei mais…) e o Filme (gostei menos…), com os sentidos nobres e infinitos. Partilhando a nobreza e a infinitude da Amizade. Nesse Projecto também temos textos de Desidério Murcho, Maria R. Girardier, e Paulo Renato Trincão. Sem modéstia o meu texto não tem comparação possível com os outros textos aí inseridos. Só poderia ser assim mesmo.

Todos os direitos reservados – Janek Pfeifer & Joaquim Pavão – 2006.

Pedro José, Borralha, 16-10-07.

 

 

Elementos são unidades inteiras que não podem ser partidas. Não façam da sua existência, uma filiação a um partido, que parte o Todo nos Elementos. Vão desculpando, não é de elementos, de material, humano, mas de matéria.

Mas, a matéria na física moderna não deixou de ser material. Bem, que elementos nomeamos. Nomear é fugir ou caçar. É ser ferida ou cura.

Esses Elementos São 4: Ar (devir-inspiração); Água (vida-aspiração); Terra (seio-configuração); e Fogo (morte-transpiração). Tudo está dito, e de tudo somos inventados. O zero do ar (vácuo… como), da água (sem cor, sem cheiro, sem sabor… a melhor água), da terra (anti-matéria onde…buraco negro ou branco), e do fogo (cinza é fertilizante, explosão, elemento preferido dos terroristas; viciados em TV e DVD…). O texto perdeu o contexto, porque eu queria um pretexto, ou seja, um elemento a mais e não a menos.

Todos esses zeros, de ar-água-terra-fogo, são o silêncio primordial.

A plenitude das realidades terrenas, as quatro matriarcas que geram vida e por isso são terra-mãe e nunca terra-pai (ponto para a Terra). Está neles, não fora deles, mas por dentro deles.

Os quatro pontos cardeais são dirigidos firmados e afirmados pelas ventanias e furacões (ponto para o Ar).

Os quatro rios do Éden, tudo o que é liquido se molda, passa de continente a conteúdo, como sémem, sangue, lágrima…(ponto para a Água).

O fogo como o único elemento que se pode combater a si mesmo e se anular, o tal dito contra-fogo, fica bem às quatro taças da ceia pascal, aos quatro evangelhos, às quatro virtudes cardeais (que será dos Purpurados…), ou seja, também eles se podem combater a si mesmos: cuidado, cuide de si, cuide do outro (ponto para o Fogo).

Ar, Água, Terra e Fogo apenas isso e é muito, bom Filme. Ou como disse Lao Tsé: “Olhando sem ver, o chamamos de Invisível; escutando sem entender, o desiganmos de Inaudível; tocando-o sem atingi-lo, o chamamos de Imperceptível”. São 3 ou 4… Qual o que falta? Não falta, tem a mais? A comida mastigada não é o meu forte. “Tenho medo do avesso” (Miguel Torga), mas na água posso aprender a nadar… no ar posso aprender a voar, na terra posso aprender a semear, e no fogo posso aprender a apagar… Posso ou podemos?… Veja esse Filme, sobre o qual eu escrevi, sem ter visto e só assim, fechando os olhos vi o REAL elemento: ar-água-terra-fogo. FIM, em fim, ou a fim.

 

 

agradecemos, pelas convicções: Pedro José

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Incontinências. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s