A M O R – por George HERBERT

 

Amor

 

O Amor me acolheu, mas a alma minha se acovardou

culpada de pó e pecado.

Mas clarividente, o Amor, vendo-me hesitar

desde o meu primeiro passo,

aproximou-se de mim com doçura, perguntando-me

se algo me faltava.

“Um convidado”, respondi, “digno de estar aqui”.

O Amor disse: “Tu o serás”.

“Eu, o mau, o ingrato? Ah, meu dileto,

não posso olhar-te”.

O Amor me tomou pela mão, sorrindo respondeu:

“Quem fez esses olhos, senão eu?”

“É verdade Senhor, mas os sujei;

que vá a minha vergonha para onde merece”.

“E não sabes tu?, disse o Amor, “quem tomou a condenação sobre si?”

“Meu dileto, então servirei”.

“É preciso que tu te sentes”, disse o Amor, “que tu proves meu alimento”.

Assim me sentei e comi”.

 

 

FONTE: HERBERT, George (1593-1633), poema “Amor”, Citado por VANNINI, Marco, Introdução à Mística, Edições Loyola, São Paulo, Brasil, 2005, p.39.

  

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Poesia. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s