O amor não é uma droga

 

O AMOR NÃO É UMA DROGA

 

[1.] “O amor é a única necessidade do ser humano. Amar e ser é o mesmo. A sexualidade não é amor. O amor diz: “Não sou eu que amo, mas é o amor que está aqui, é minha essência, e nada mais posso fazer se não amar”. Uma atitude assim surge livremente quando estamos despertos e nos livramos de todos os nossos preconceitos.

 

[2.] Quando entendemos que nós somos felicidade, não precisamos fazer mais nada. Apenas deixar cair as ilusões. Os desejos crescem porque criamos em nós mesmos a ilusão (porque assim nos ensinaram e lemos em muita literatura barata) de que temos de conseguir a felicidade procurando por ela fora. E isso nos leva a nos agarrar às pessoas que acreditamos produzir felicidade, com medo de perdê-las. Mas, como as coisas não são assim, nós nos deixamos dominar pela infelicidade, desilusão e pela angústia quando essas pessoas falham, ou quando acreditamos que falharam.

 

[3.] A aprovação, o sucesso, o elogio, a valorização representam as drogas com as quais a sociedade nos viciou. Basta não obter isso para enfrentarmos um sofrimento terrível. É importante nos livrar de sensações assim, despertando para ver que tudo não passa de ilusão. A única solução é deixar a droga, embora tenhamos de enfrentar os sintomas da abstinência. Como viver sem algo que era tão especial para nós? Como existir sem o aplauso e a aceitação? Trata-se de um processo de subtração, de desprendimento em relação a essas mentiras. Escapar disso é como fugir das garras da sociedade.

 

[4.] A pessoa chega a um estado de grave incapacidade de amar, porque é impossível que veja os outros como de fato são. Para voltar a amar, terá de aprender a ver as pessoas e as coisas ao natural, sem disfarces. Começando por si mesma. Para amar os outros é preciso abandonar a necessidade que sentimos em relação a essas pessoas e a sua aprovação. Basta aceitar a nós mesmos.

 

[5.] Temos de ver claramente a verdade, sem qualquer tipo de engano. Devemos nos alimentar com coisas espirituais: companhia alegre, amizade sem apegos ou desejos, praticando nossa sensibilidade com a música, uma boa leitura, a natureza…

 

[6.] Pouco a pouco, aquele coração que era um deserto, sempre cheio de uma sede insaciável, transformar-se-á num imenso campo que produz flores de amor por todo lado, ao mesmo tempo em que a pessoa ouve uma maravilhosa melodia: é o encontro com a vida.

 

[7.] Lembremo-nos de uma das passagens do Evangelho em que Jesus, depois de mandar a multidão de volta para casa, fica ali sozinho. Que maravilhoso é esse amor! Só quem sabe manter independência em relação às outras pessoas sabe amá-las como elas são. Estou falando de uma independência emocional, livre de todo apego e de toda recriminação, que torna o amor forte e clarividente. A solidão é necessária para que possamos nos colocar fora de toda programação e preconceito. Somente a luz da consciência é capaz de expulsar todas as ilusões e os pesadelos que influenciam a nossa vida, ao mesmo tempo em que expulsa os rancores, as necessidades e os apegos.

 

[8.] Como começar? Dando os verdadeiros nomes a todas as coisas. Temos de chamar as exigências de exigências e os desejos de desejos, e não disfarçá-los com outros nomes. No dia em que entrarmos de fato na nossa realidade, quando não resistirmos mais a ver as coisas como elas são, estaremos começando a nos libertar de nossa cegueira. É possível que continuemos a ter desejos e apegos, mas já não nos deixaremos enganar.

 

[9.] Devemos nos alimentar de prazeres naturais, desfrutando da natureza, exercitando o tato, a audição, a visão, o paladar e o olfato. Existe todo um mundo a descobrir, a partir dos nossos sentidos atrofiados. Perceberemos então que não precisamos de muita coisa para encontrar a felicidade, além daquilo que já temos. Temos de nos sentir livres, autónomos, seguros de nós mesmos, apesar de reconhecermos as nossas próprias limitações. Ou talvez até por isso mesmo, porque aceitamos a criatura ilimitada que somos, apesar das formas medíocres em que nos desenvolvemos. A única maneira de nos tornar fortes, sem necessidade de qualquer tipo de apoio ou apego, é procurando nossa vinculação com a realidade.

 

[10.] É poder dizer aos amigos que não dependam de nós para encontrar a felicidade, porque podemos morrer de um momento para o outro e decepcioná-los. É preciso que cada um encontre sua felicidade na vida, porque, ao ficar livre, terá toda capacidade de amar. Amar é uma necessidade do ser humano, mas não uma necessidade da pessoa amada, nem do desejo. O vazio que temos dentro de nós faz com que tenhamos medo de perder as pessoas que amamos. Mas esse vazio só pode ser preenchido com a realidade. E quando caímos na realidade já não sentimos falta de nada, nem de ninguém. Nós nos sentimos livres e cheios de felicidade como as aves”.

 

FONTE: MELLO, Anthony, S.J., Autolibertação,

Edições Loyola, São Paulo, 72002, pp. 68-70.

Obs. A numeração dos parágrafos não se encontra no texto do autor.

Esta entrada foi publicada em Espiritualidade. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s