Sempre as Horas do Tempo Pascal

 

Sempre as Horas do Tempo Pascal

 

Estar morto espiritualmente é terrível: é o fundo vazio do desejo, no seu lado avesso, a alma sem esperança. A certeza da vida reside num tempo de vida unido, grávido e oferecido. Tempo unido, que é coesão interior, feita da “vontade” cumprida no vigor ético. Tempo grávido, porque é agraciado em Deus, fonte de todos os dons, experimentados e sonhados. E tempo oferecido, doado e sacrificado, na generosidade para os outros (os pequenos, os prostituídos, os pobres). Aí e só assim, seremos feitos dum Tempo Pascal unido, grávido e oferecido. Esta é a minha desejada ressurreição, pequena realização instável, numa santidade comunitária.

Nesta circunstância, reflexiva e existencial, voando numa viagem de avião (que eu seja todo transparente: Voo 1698/Voo 1970, GOL, preço na concorrência: 384,42R; regresso de uma Assembleia interna, a ida foi um “pouquinho” mais cara, resumindo tudo, com “3 T.T.T.” = trabalho, turismo, terapia: tempos de privilégio…), também no sentido figurado, das 9H28 às 15h44, de Belo Horizonte (MG), ponte em Brasília (DF), até S. Luís do Maranhão (MA), num tempo livre, que é sempre o meu melhor tempo ocupado. Saboreei a leitura e meditação da obra “A intuição do instante”, de Gaston Bachelard (1884-1962), dela fica esta delimitação, incisiva do que preciso praticar. Um dos meus lemas actuais, cozido e cru, é: “O que não está no horário, não existe” (inspirado por J.B.Libânio). Ficam dois excertos, densos, para encher as nossas horas de Páscoa diária:

 

Excerto I.(…) Sentimos então um surdo sofrimento quando saímos em busca dos instantes perdidos. Lembramo-nos daquelas horas ricas que se marcam ao compasso dos mil sons dos sinos da Páscoa, desses sinos da ressurreição cujas batidas não se contam porque todas elas contam, porque cada qual tem um eco em nossa alma desperta. E essa lembrança de alegria é já um remorso quando compararmos, a essas horas de vida total, as horas intelectualmente lentas porque relativamente pobres, as horas mortas porque vazias – vazias de desígnio, como dizia Carlyle do fundo de sua tristeza -, as horas hostis intermináveis que dão em nada.

E sonhamos com a hora divina que daria tudo. Não a hora plena, mas a hora completa. A hora em que todos os instantes do tempo seriam utilizados pela matéria, a hora em que todos os instantes realizados na matéria seriam utilizados pela vida, a hora em que todos os instantes vividos seriam sentidos, amados, pensados. A hora, por conseguinte, em que a relatividade da consciência seria apagada, porque a consciência seria a exacta medida do tempo completo.

Finalmente, o tempo objectivo é o tempo máximo; é aquele que contém todos os instantes. Ele é feito do conjunto denso dos actos do Criador”[1].

 

Excerto II.(…) No próprio amor, o singular é sempre pequeno, permanece anormal e isolado: não pode tomar lugar no ritmo regular que constitui um hábito sentimental. Pode-se colocar, em torno de suas lembranças de amor, todo particular que se quiser, a sebe de pilriteiros ou o portal florido, a noite outonal ou a aurora de Maio. O coração sincero é sempre o mesmo. A cena pode mudar, mas o actor é sempre o mesmo. A alegria de amar, em sua novidade essencial, pode surpreender e maravilhar. Mas, vivendo-a em sua profundidade, nós a vivemos em sua simplicidade. Os caminhos da tristeza não são menos regulares. Quando um amor perdeu seu mistério perdendo seu futuro, quando o destino, fechando o livro abruptamente, pôs termo à leitura, reconhecemos na recordação, sob as variações da saudade, o tema – tão claro, tão simples, tão geral – do sofrimento humano. À beira do túmulo, Guyau dizia ainda um verso de filósofo: «A felicidade mais doce é aquela que se espera». Nós mesmos lhe responderemos, evocando «A felicidade mais pura, aquela que se perdeu»[2].

 

AUTOR: Pedro José, Chapadinha, 30-04-2007. Caracteres (espaço incluídos): 3772 – 23:04


[1] BACHELARD, Gaston, A intuição do instante, Verus Editora, Campinas, 2007, pp. 50-51.

[2] IDEM, o.c., pp.89-90.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Livros. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s